greenwashing

NNuma altura em que falar de sustentabilidade está na moda, principalmente por questões comerciais e de marketing, são inúmeras as marcas e não só, que fazem propaganda enganosa sobre produtos que defendem o meio ambiente, declarando-se aos seus consumidores como eco-friendly, green e sustentáveis, sem de facto, terem práticas que vão ao encontro do que defendem.

Seja uma t-shirt feita de algodão orgânico ou um carro ‘ecológico’ – as empresas estão cada vez mais interessadas em mostrar o seu lado “verde”. No entanto, a linha pode tornar-se ténue e a transparência turva para o mal de inúmeros consumidores e mesmo para o prestigio das próprias marcas.

#Greenwashing é um termo inglês que na tradução para o português significa lavagem verde, muito utilizado pelas empresas que querem criar uma falsa aparência de sustentabilidade, sem necessariamente aplicá-la na prática.

Actualmente, este movimento acaba por ser muito utilizado  devido à pressão que as marcas têm sofrido por parte dos consumidores que agora, mais do que nunca, são mais conscientes e preocupados, nomeadamente  a Geração Z (pessoas nascidas entre 1995 e 2010).

Esta geração tem mais probabilidade de gastar dinheiro em empresas e marcas consideradas éticas, acabando por ser um nicho de mercado bastante apetecível.



De acordo com a Euro News: “alguns países estão a começar a reprimir este tipo de marketing. A Forbrukertilsynet (Autoridade do Consumidor) da Noruega decidiu no ano passado que a marca de fast fashion H&M estaria sob investigação pela sua colecção “Consciente” supostamente ética”.

“A H&M não está a ser clara ou específica o suficiente ao explicar como as roupas da colecção Conscious são mais ‘sustentáveis’do que outros produtos que vendem”, concluiu o vice-director da Forbrukertilsynet, Bente Øverli.

“Como a H&M não está a dar ao consumidor informações precisas sobre porque essas roupas têm o rótulo de Consciente, concluímos que os consumidores estão a receber a impressão de que esses produtos são mais ‘sustentáveis ​​’do que realmente são.”

Quais são as alternativas e como podemos identificar #greenwashing?

Pode ser exaustivo tentar verificar cada certificado ecológico ou eco-credenciais que uma marca está a promover. Felizmente, existem algumas ferramentas on-line e mecanismos de pesquisa, como o Project Cece, Ethical Made Easy e STAIY, que ajudam neste processo de pesquisa.

 E, claro, também existem inúmeras marcas que claramente incorporam a sustentabilidade e o ambientalismo em sua essência. Quando as empresas se envolvem com esse ethos de maneira holística, incorporando-o em toda a sua cadeia de suprimentos, produtos, práticas de emprego, direitos humanos salvaguardados, e muito mais, o consumidor terá clareza e confiança de que não fazem greenwashing.

 A responsabilidade de mudarmos o mundo e exigirmos às marcas essa mesma responsabilidade e práticas regenerativas para o meio ambiente, está nas nossas mãos enquanto consumidores e principais interessados.


instagram
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Menos 1 Lixo (@menos1lixo) em