Aquecimento Global

As consequências para a Humanidade e para o Planeta.

Séculos, décadas, anos, meses, semanas e dias, o mundo está em constante evolução, a informação está ao dispor de quem quiser ler, ouvir, conhecer e abrir a sua mente. Há anos que desastres naturais ocorrem à volta do mundo, cientistas comprovam e mostram às massas o que está a acontecer, mas muitos olham de lado e chamam-lhe de conspiração. Os que procuram mudar e proteger o mundo chamam-lhe de “Aquecimento Global”.

“Aquecimento global é o processo de aumento da temperatura média dos oceanos e da atmosfera da Terra causado por massivas emissões de gases que intensificam o efeito de estufa”. A razão da existência deste fenómeno somos nós, os seres humanos, que continuamos a esgotar os recursos da terra para beneficio próprio sem ter em conta as consequências dos nossos atos.

© Nasa

Queima de combustíveis fósseis, desflorestação, utilização de fontes de energia poluidoras e, em geral, a escolha de um estilo de vida não sustentável, em que a natureza é vista única e simplesmente como matéria-prima para exploração, levaram ao Aquecimento Global.
Os gases emitidos pelo homem que causam o efeito de estufa são o dióxido de carbono e o metano, estando diretamente ligados com o aumento da temperatura que temos vindo a sentir desde meados do século XIX.

ONU Brasil

Quanto mais esperamos que um milagre aconteça, pior é para o nosso planeta. Temos o caso flagrante do degelo da Antártida, causado pelo aquecimento global, que resulta numa subida do nível do mar nas zonas costeiras de todos os continentes. Inundações, cheias, catástrofes “naturais” provindas do mar, destroem casas e cidades em segundos.

© Bryan Goff

Segundo cientistas, dispomos apenas de uma década se mantivermos a quantidade de emissão de gases com efeito de estufa que hoje produzimos. Isto até ao ponto de se tornar irreversível. Prevê-se ainda “um aumento da temperatura global da ordem dos 3 graus Celsius, a subida do nível do mar em mais 30 cm, e grandes mudanças ambientais, quer para a biodiversidade, quer para os oceanos”.

Principais desastres climáticos de 2018

No ano passado, os efeitos devastadores dos 10 maiores desastres climáticos do mundo atingiram danos de, pelo menos, 74.300 milhões de euros, segundo um estudo da organização não-governamental “Christian Aid”. 2018 foi um ano de furacões nos Estados Unidos, no qual se destacaram Florence e Michael. Neste mesmo país, ocorreram nesse ano também incêndios que causaram a morte de dezenas de pessoas e milhares de casas destruídas, sendo que o local mais afetado foi a Califórnia.

Quanto ao Japão, sofreu também ele cheias que se prolongaram pelo Verão inteiro e, sem qualquer descanso, no Outono é atacado pelo tufão Jebi. Na China, uma depressão tropical devastou parte do país, que também sofreu cheias, passando-se o mesmo no Sul da Índia.

© Gustavo Quepon

Já na Europa, Argentina, Austrália e na África do Sul fizeram sentir-se secas. Tudo isto, diga-se, causado pela mão do Homem.
Tal é a importância deste tema, que milhares de especialistas alertam as sociedades para o que aí pode vir, pois o que se prevê no futuro próximo pode ser, de facto, ainda mais problemático do que se possa imaginar e os primeiros a sentir serão certamente as comunidades mais pobres e vulneráveis. Os entendedores alertam também para o aumento das temperaturas para 2019.

Soluções para diminuir o Aquecimento Global:
  • Diminuir o uso de combustíveis fósseis (gasolina, diesel, querosene) e aumentar o uso de biocombustíveis (exemplo: biodiesel) e etanol. 
  • Os automóveis devem ser regulados constantemente para evitar a queima de combustíveis de forma desregulada. O uso obrigatório de catalisador em tubos de escape de automóveis, motos e caminhões.
  • Instalação de sistemas de controle de emissão de gases poluentes nas indústrias.
  • Ampliar a produção de energia através de fontes limpas e renováveis: solar, eólica, energia das ondas (força das ondas do mar), energia das marés (aproveitamento do fluxo das marés – subida e descida), energia de biomassa (energia armazenada nos seres vivos (por exemplo: plantas) energia geotérmica (calor interno da Terra), energia hídrica (aproveitamento da energia cinética do rio).
  • Evitar ao máximo a produção de energia através de termoelétricas, que usam combustíveis fósseis.
  • Sempre que possível, deixar o carro em casa e promover a partilha de carro para o trabalho, saídas e afins, bem como o uso de transportes públicos (se for possível) e andar o máximo de bicicleta.
  • Colaborar para o sistema de recolha seletiva de lixo e de reciclagem.
  • Recuperação do gás metano nos aterros sanitários.
  • Usar ao máximo  iluminação natural dentro dos ambientes domésticos.
  • Não praticar desmatamento e queimadas em florestas. Pelo contrário, deve-se plantar mais árvores como forma de diminuir o aquecimento global.
  • Uso de técnicas limpas e avançadas na agricultura para evitar a emissão de carbono.
  • Implementação de programas de reflorestamento e arborização, principalmente nos grandes centros urbanos.
  • Construção de prédios com implantação de sistemas que visem economizar energia (uso da energia solar para aquecimento da água e refrigeração).
  • Produção e uso de energia solar: outra opção para a redução do aquecimento global.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Aquecimento_global

https://www.dn.pt/sociedade/interior/dez-anos-para-salvar-a-antarctida-e-o-resto-do-planeta-9455680.html

https://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2015-11-10-Gelo-do-Artico-esta-a-derreter-a-uma-velocidade-nunca-vista

https://www.publico.pt/2018/12/27/ciencia/noticia/dez-maiores-dispendiosos-desastres-climaticos-2018-1856069