#SECONDHANDSEPTEMBER

EEste mês juntamo-nos ao movimento #SEGUNDAMAOSETEMBRO com a Oxfam e a fashionrevolution para celebrarmos a importância do consumo de roupas em 2a mão e falarmos de uma maior longevidade das mesmas, para um mundo mais sustentável.

De acordo com a Oxfam, comprar uma nova camisa de algodão branco produz aproximadamente as mesmas emissões que conduzir um carro por 35 milhas.

Mantermos as nossas roupas durante mais tempo, é uma forma simples e eficaz de mitigar o impacto que o consumismo tem no planeta.

A Oxfam lançou a campanha de Setembro de segunda mão deste ano, que visa combater o #fastfashion pedindo aos consumidores que comprem apenas em segunda mão por 30 dias.

A campanha incentiva os consumidores a comprarem apenas em segunda mão por trinta dias, à medida que os compradores e as empresas estão gradualmente a despertar para os efeitos prejudiciais que o fast fashion tem sobre o meio ambiente.

Segundo estatísticas da Oxfam, 70% das roupas doadas pelo Ocidente acabam por ir para África, o que por vezes, pode ser prejudicial para a indústria local.

PlayPause
Slider

Fardos e o Continente Africano 

Segundo estatísticas da Oxfam, 70% das roupas doadas pelo Ocidente acabam por ir para África, o que por vezes, pode ser prejudicial para a indústria local.

Em Angola, fomos ao Mercado Asa Branca saber mais sobre o assunto, e falar directamente com algumas vendedoras de roupa sem 2a mão, ou no caso, “fardos”.

Algumas das pessoas com quem falámos apenas sabiam que as roupas que vendiam vinham dos Estados Unidos, Itália, e outros países maioritariamente europeus, não tendo sequer a perceção que muitas das roupas que ali vendiam são doadas.

Em primeira instância, este negócio da venda dos fardos acaba por “alimentar”inúmeras famílias e ser uma forma de sustento bastante importante para a economia local, promovendo a economia circular e reduzindo o “lixo das roupas” que o ocidente já não quer mais para voltarem a ganhar nova vida em outras mãos.

Porém a questão da doação fica em suspenso para ser mais aprofundada, já que ainda não percebemos se há roupas que chegam de facto aos destinatários, em forma de doação, aos que mais precisam.