SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA

SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA

Samanta Bullock

A Revista Baiga teve a honra de entrevistar um ser humano surpreendente, antes da sua recente visita a Portugal. Falamos da única e incomparável Samanta Bullock.

Aos 26 anos, foi tenista profissional e representou o seu país em três Campeonatos Mundiais, onde ganhou uma medalha de prata nos Jogos Parapan-Americanos (2007).


SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA© mobileWOMEN.org


Samanta nasceu no Brasil e mudou-se para o Reino Unido – Londres há dez anos. Desde então, ela tem dedicado a sua vida à conscientização sobre a deficiência e melhoria da qualidade de vida de outras pessoas, especialmente mulheres e crianças com ou sem deficiência.

“Ao longo desta entrevista, poderá ver que a sua paixão pela moda não foi um processo fácil. Sentiu-se frequentemente frustrada com a falta de roupas de luxo disponíveis para pessoas com necessidades especiais.”

Assim sendo, decidiu unir esforços com alguns dos designers mais inovadores para desenvolver a sua marca, ‘SB– uma linha exclusiva de roupas baseada no princípio de que “não se trata de pessoas com necessidades especiais, mas de se sentir bonita e confortável numa posição constante sentada ”.


SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
PlayPause
Slider

A coleção foi lançada a 15 de junho de 2019. 

BM: Pode dizer-se que se tornou modelo aos oito anos de idade? 

SB: Sim, o meu primeiro desfile de moda foi aos oito anos de idade. No meu coração, tornei-me modelo naquele dia. Mas na realidade tornei-me modelo dois anos depois.

BM:  Visto que sofreu um acidente e não deixou de ser ativa e começou a concentrar-se na sua vida enquanto atleta e modelo, gostaria de partilhar connosco a primeira vez em que pisou na passerelle como modelo de cadeira de rodas? 

SB: Isso foi há quatorze anos. Eu fiz um desfile para uma marca no Brasil, que trabalhava com jeans (…) Nós decidimos ir para passerelle juntos e para aceder à passerelle havia 2 degraus, então eles disseram  ‘’como é que vais conseguir ir para lá com estes degraus? Então não podes fazer o show!’’ Eu pensei ‘’oh meu Deus! Quero tanto desfilar!’’. Felizmente, encontrámos uma alternativa, dois modelos masculinos ajudaram-me, um agarrou na cadeira e o outro levou-me. Puseram-me na cadeira. Então eu desfilei e quando voltei fizemos o mesmo processo (…).


© LONDON FASHION WEEK SS18
 BM: Que surpresas ou desafios enfrentou na indústria da moda enquanto modelo com necessidades especiais?

SB: Eu lembro-me que quando comecei a trabalhar como modelo de cadeira de rodas, há 14 anos, costumava ir às agências e eles diziam sempre NÃO. Tentei inscrever-me em mais de cem agências, e disseram  ‘’Não! Não pode ser modelo porque está numa cadeira de rodas’’.

BM: O que é que fez para superar esses desafios?

SB: Eu uso o meu próprio poder, fui a todas as agências e sempre que me disseram ‘’não’’, funcionou como uma motivação para mim, deu-me mais poder para lutar pelo meu sonho. Até que um dia eles disseram ‘’sim’’!

BM: Teve a oportunidade de participar de algumas semanas da moda, como a do Dubai e a de Londres, mas há uma cuja experiência queremos que descreva: a de Portugal! Como foi?

SB: Sim, foi em 2009, há 10 anos. Participei num projeto com o designer português Rafael Freitas, ele fez uma coleção, que adaptou e desenhou para a posição sentada (cadeira de rodas), essa experiência foi incrível. Além disso, gostaria de mencionar que Rafael Freitas vai colaborar com a marca ‘SB‘ em setembro, vamos trabalhar juntos para criar vestidos glam, vestidos de noiva e vestidos de gala, todos acessíveis também. O Rafael é de Guimarães, mas agora vai abrir a sua loja no Porto.


SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA© SAMANTA BULLOCK


Portugal será um ponto de paragem importante para a marca ‘SB’ – um dos meus outros projetos, chamado BeKoffee, é um projeto sustentável que visa tirar benefícios do desperdício de café e transformá-lo em belas peças de joalharia. Este projeto começou também em Guimarães, com o Fernando Duarte. De Portugal temos muitas coisas: dois designers, uma fábrica e eu sou embaixadora da ‘Freedomee‘, cuja base vai ser em Portugal.

BM: Lançou a sua linha de roupas inclusivas no dia 15 de junho de 2019; por favor, fale mais sobre este projeto, qual é o objetivo principal?

SB: O principal objetivo deste projeto é a inclusão. Inclusão!

“Eu não acredito em segregação. Acho que a inclusão faz parte da sustentabilidade porque realmente acho que ignorar 20% da população não é sustentável a longo prazo.”

Precisamos de fazer coisas que sejam para todos, é essa a minha crença e será sempre assim. Mas eu não pude lançar a minha marca por conta própria, por lidar com muito stress. Eu pensei que poderia ter um impacto maior se trabalhasse com designers diferentes, assim  teríamos mais variedade e mais estilos. Se forem à loja SB, vão encontrar vestidos, casacos, produtos de beleza e jóias, mas tudo inclusivo. Basicamente, a ideia é ter um design universal, mesmo que tenhamos algumas peças que são adaptadas, procuramos fazer adaptações de moda, não “médicas”.


SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
SAMANTA BULLOCK, BELEZA INCLUSIVA
PlayPause
Slider

Porque se olharmos para algumas roupas feitas para pessoas com necessidades especiais, não são atraentes nem elegantes. Então nas adaptações que fizemos tentámos fazer tudo dentro da moda, e estamos abertos a sugestões. Isto é algo que estamos a fazer para si e para todos. Quando digo para todos, não tem nada a ver com inclusão ou pessoas com necessidades especiais. Se pensarmos que 100% da população se senta, percebemos! Todos nos sentamos, quando nos sentamos, as roupas assumem formas diferentes. Por exemplo: se estiver a trabalhar no escritório por muitas horas, vai querer que a sua roupa seja confortável, mas também que seja profissional, para o local de trabalho. É essa a visão que temos.



BM: Às vezes nós, pessoas com necessidades especiais, gostamos de usar a palavra inclusão, mas focamo-nos apenas nos desafios das nossas próprias necessidades. Por exemplo, consideraria adicionar um rótulo em Braille na sua linha de roupas?

SM: Sim, estou a certificar-me de que todas as pessoas, com diferentes necessidades, se sintam parte da minha marca SB. Por exemplo: no design do meu site, estamos a usar um tipo de letra que é fácil de ler para deficientes visuais.

BM: Onde podemos encontrar produtos SB?

SM: Por enquanto é apenas online, através do site da SB. Mas os outros designers que fazem parte da minha marca têm uma loja física e podem encontrar todos os meus produtos nas lojas deles. Além disso, vendemos na Freedomee Platform.

BM: Agumas dicas para quem deseje ser modelo e tenha necessidades especiais?

SM: Eu diria que devem encontrar uma boa agência, alguém em quem possam confiar, que vos consigam trabalhos remunerados. Que treinem e aprendam as posições e peçam às pessoas que tirem fotos. Não é assim tão simples, têm de ser profissionais. Se estão numa cadeira de rodas, certifiquem-se de que a cadeira está limpa. Certifiquem-se de que chegam a tempo, que vão com o cabelo limpo, arranjado, porque as pessoas querem ver que vocês são profissionais e que podem trabalhar convosco.


Instagram
View this post on Instagram

A post shared by Samanta Bullock (@samantabullock) on

Samanta Bullock