S.O.S COVID-19: MULHERES SÃO AS MAIS AFECTADAS PELA PANDEMIA

DDe acordo com especialistas que participaram num encontro do Conselho de Direitos Humanos e para a Directora Executiva da ONU Mulheres, muitas chefes de Estado e de governo estão a mostrar como encontrar soluções sustentáveis para a pandemia e o mundo deve seguir o exemplo.

O Conselho de Direitos Humanos organizou um debate virtual sobre o impacto da pandemia de Covid-19 nas mulheres e o papel que elas devem ter nos esforços de recuperação.

Especialistas destacaram que as quarentenas e o fecho de escolas contribuíram para um aumento da violência baseada no género, em particular a violência doméstica, e outras ameaças para meninas e mulheres de todo o mundo.

Segundo estimativas do Fundo das Nações Unidas para a População, UNFPA, se as medidas restritivas durarem mais seis meses, o mundo terá mais de 31 milhões de casos de violência baseada no género.



Trabalho

As mulheres também estão na linha da frente na resposta à crise. Globalmente, representam 70% dos profissionais de saúde. Também têm papéis importantes em serviços essenciais, como na produção e cadeia de suprimentos de alimentos, limpeza e assistência.

Ainda assim, muitas trabalham com salários baixos, irregularidades e no sector informal, onde não têm acesso à protecção social.

A ministra das Relações Exteriores, União Europeia e Cooperação da Espanha, Arancha González Laya, disse que “as políticas de resposta económica e recuperação devem abordar especificamente o impacto nas mulheres.”

Segundo a mesma, “o reconhecimento do trabalho não remunerado, a redução da diferença salarial e as políticas fiscais e de protecção social devem resultar no seu empoderamento económico e evitar uma maior feminização da pobreza.”


PlayPause
Slider

Futuro

A professora de economia da Universidade Jawaharlal Nehru, na Índia, Jayati Ghosh, destacou a situação de mulheres migrantes e cidadãs de países em desenvolvimento.

Segundo a especialista, a pandemia “reforçou as desigualdades e as estruturas de poder que permitem a opressão patriarcal nas famílias e nas comunidades.” Jayati Ghosh disse que as mulheres têm maior probabilidade de perder os seus empregos ou ter uma redução de salário durante o bloqueio.

Afirmou ainda que “esse declínio no emprego remunerado terá um impacto a longo prazo, porque as perdas durante uma recessão levam a salários mais baixos e emprego menos seguro no futuro”.

Fonte: ONU News 
instagram
View this post on Instagram

A post shared by UN Women (@unwomen) on