Dress for Our Time

Usando o poder da moda para comunicar as alterações climáticas e o deslocamento em massa das pessoas. O vestido é criado a partir de uma tenda de refugiados do ACNUR desativada do Campo de Zaatari, na Jordânia.

Dress For Our Time, da artista, designer e investigadora Prof. Helen Storey, usa o poder da moda para comunicar algumas das questões mais complexas do mundo, nomeadamente as alterações climáticas e o deslocamento em massa das pessoas.

O vestido é criado a partir de uma tenda de refugiados do ACNUR desmantelada que outrora albergou uma família de pessoas deslocadas no Campo de Zaatari, na Jordânia, e foi oferecida pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

© Getty Images

Através da moda e da ciência, o projecto procura ajudar a mudar a forma como pensamos e agimos sobre as alterações climáticas e os deslocamentos globais.

Ao dar uma segunda vida à tenda, esta instalação de arte pública possui um vínculo inquebrável com a humanidade e representa a importância de nutrir e proteger todas as pessoas e salvaguardar as gerações vindouras.

É um símbolo do que significa ser humano e a natureza precária da nossa existência.

© Huffington Post UK

O tempo de produção durou 4 anos, sendo que o projeto começou com um encontro onde Helen reuniu cientistas do clima, empresas, universidades e investigadores para olharem para nós, como espécie humana que somos, se estamos ou não a responder às alterações climáticas.

A urgência de acção torna-se clara.

O vestido tem viajado para vários locais, onde tem exibido digitalmente dados científicos, mostrando o impacto das alterações climáticas no nosso mundo físico, alargando o diálogo em torno da migração, e destacando os milhões de deslocados e os caminhos que tomam em busca de uma vida melhor.

Helen reuniu colaboradores e patrocínios, incluindo Holition, Unilever, Met Office e o ACNUR, pessoas de diferentes origens da ciência, negócios, educação, tecnologia, trabalho humanitário e moda, para explorar formas de suscitar um debate público sobre as questões críticas das alterações climáticas e migração em massa das pessoas.

© Peacetalks.net

 Pixels de luz foram projectados no vestido, cada um representando cem pessoas deslocadas e mostrando os caminhos que os refugiados tomam do seu país de origem para os diferentes lugares que se instalam.

À medida que os pixels de luz subiram pelo vestido, atingiram diferentes locais, ramificando-se e tornando os contornos dos países evidentes.

 O resultado? Um mapa do movimento humano.


informações

Patrocínios:

Holition

Unilever

Met Office

UNHCR UK

The University of Sheffield

Fonte: UAL: London College of Fashion & Centre for Sustainable Fashion

instagram